Notícias quentes
Página Principal / Sem categoria / Como ensinar seu cachorro a fazer amigos (cachorros também!)

Como ensinar seu cachorro a fazer amigos (cachorros também!)

De repente, você está pensando em adotar um novo amigo para seu cãozinho. Ou simplesmente vai receber a visita de um outro cão e quer que ambos se deem bem. Como fazer com que a interação flua sem problemas?

Cachorros

O que influencia a interação canina

Se os cães envolvidos já têm uma tendência sociável e costumam fazer “amizades” nos passeios, é provável que você não enfrente problemas. No entanto, alguns cães não são lá muito chegados a se relacionar!

Os cães são, normalmente, animais sociais. A história de vida deles, porém, costuma determinar limites para as relações que são capazes de estabelecer com outros cães. Assim, cachorros que foram criados sozinhos, com toda a atenção humana dedicadas somente a eles tendem a ser menos receptivos a novos membros da família. Machos não castrados também podem ser muito contrários a receber coleguinhas, pela questão territorial.

Introduzir um novo cão exige então habilidade, carinho, cuidado e até algum esforço!

Fonte

Escolha um lugar de encontro neutro

Se você não tiver certeza de como um (ou ambos) cães reagirão, seja cauteloso. Primeiro, planeje que os cães se encontrem em território neutro: Escolha um lugar onde nenhum dos envolvidos sinta que seu território está sendo ameaçado.

O parque favorito do seu cachorro pode não ser um bom local. A menos que seja um parque para cães – eles já costumam encontrar outros cães por lá – um local onde ele está muito acostumado a frequentar também pode causar as reações territorialistas que queremos evitar. Assim, escolha um parque que não seja muito familiar a nenhum dos cachorros envolvidos!

Se você estiver adotando um cachorro através de um abrigo, pergunte à equipe se eles podem ajudar a apresentá-los. As equipes contam com pessoas que são preparadas para essa situação e já apresentaram um grande número de cachorros!

Mantenha a distância

Dois humanos devem estar envolvidos no processo: um cuidando de cada cachorro. Nem tente fazer sozinho! Acidentes indesejáveis podem ocorrer.

Mantenha-os na guia – preferencialmente um peitoral como este aqui e de forma relaxada. E não demonstre medo ou ansiedade! Os cães são animais tremendamente perceptivos, que vão notar um tutor amedrontado e, por sua vez, sentirão o mesmo.

Inicie uma caminhada tranquila, mantendo os cachorros separados por uma distância segura, mas não muito grande. Após alguns minutos, cruze o caminho de ambos sem perder a distância, mas permitindo que ambos possam cheirar o lugar onde o outro andou.

Nesse momento é possível que um deles comece a latir, ou tente avançar. Mantenha a calma, controle o animal e comece tudo de novo.

O primeiro contato

Quando você conseguir concluir o passo da caminhada com sucesso, é hora de deixar que ambos tenham contato. Permita uma aproximação lenta, sem abandonar o uso da guia.

Preste atenção a linguagem corporal dos cães. E observe o corpo todo! Um rabinho balançando nem sempre é alegria!

Observe a tensão corporal, se um dos dois começa a rosnar, se ficam ofegantes e mostram os dentes…Ele vai mostrar sinais em claros de estresse! Se isso acontecer, finalize o encontro e tente mais uma ou duas vezes seguindo o passo a passo. Se ainda assim não funcionar, quem sabe seja hora de procurar um profissional de adestramento.

Agora, se os cães não mostrarem sinais de hostilidade um com o outro, vamos aumentar o contato! Leve-os para uma área menor, onde possam ser controlados, livre-os das guias, dê um passo para trás e dê espaço para que eles se conheçam. Temos a tendência de querer controlar essas interações, mas, no geral, é melhor permitirmos que os cães se conheçam com interferência mínima. Eles sabem como fazê-lo, como você também é capaz de se aproximar de alguém numa festa!

Os humanos que ficam em cima e se envolvem demais podem ser frustrantes para os cachorros, deixá-los tensos e estragar a brincadeira.

Converse com os cachorros

Quase todos os cachorros respondem bem às palavras de seus tutores. Assim, se sentir que está surgindo um climão no ar, diga algo em tom suave. Frases como “tudo bem…é amiguinho! ” costumam ter efeito sobre seu filho peludo.

Eventualmente pode ser necessário usar palavras mais enérgicas, como um bom e velho “Pare já com isso! ”, mas tente evitar. Reforço positivo é sempre mais eficaz!

Na maioria dos casos, tudo o que os cachorros precisam são orientações verbais de seus humanos. Quando começar a brincar e interagir com o outro, fale com eles em tom feliz e satisfeito, deixando claro que era isso mesmo o que queria. Presentear com petiscos deliciosos, como biscoitinhos é também uma excelente ideia!

Não interfira fisicamente, a menos que o clima fique quente e o encontro esteja encaminhando-se para uma briga. Nesse caso, jamais permita que chegue a vias de fato: Cobre obediência de seu cachorro, coloque-o na guia e finalize o encontro.

Cachorros brincando

Levando todo mundo para casa

Agora que o encontro em local neutro deu certo, e eles brincaram, é hora de ir para casa!

O transporte deve acontecer preferencialmente em caixas de transporte como essas, para que a proximidade no carro não venha a ser um problema. Já em casa, deixe que eles se movimentem por conta própria e continuem a interação.

Mais uma vez, a regra é só interferir se surgir algum problema.

Hora de comer

Já dizem por aí que a hora da refeição é uma hora sagrada. Para os cachorros também!

Você já comprou comedouro e brinquedos para o novo membro da família? Não vale querer que eles dividam tudo assim, logo de cara!

Alimente primeiro o cachorro “titular”. Quem já é da casa merece algumas vantagens, e isso vai evitar conflitos de fundo territorial. Também é recomendável separá-los num primeiro momento. Depois que a amizade estiver consolidada, eles não terão problemas em comer lado a lado ou dividir petiscos.

Apresentando um filhote a um cão adulto

Para apresentar um filhote a um cachorro já adulto, use o mesmo procedimento. Tudo com calma! Se o filhote tiver menos de seis meses, é normal que o cão adulto queira um tempinho só para ele. Pense em você com uma criança pequena que não para de pular, agarrar sua orelha e te chamar para brincar. Um tempo é legal, mas depois cansa, né? O mesmo acontece com o cachorro adulto!

Se o cão não gostar do filhote, não o deixe sozinho com ele de jeito nenhum! O mais provável é que isso acabe muito, muito mal.

Por fim, seja consciente: Se você notou que a interação entre os cães foi complicada, não os deixe juntos. Eles vão brigar e alguém vai sair machucado. Não arrisque e procure profissional competente para ajudar.

Sobre Lucas Araujo

Advogado, empresário, adora aprender mais sobre animais e seus comportamentos. Vamos aprender juntos?

Veja também

Cachorro amarelo de coleira

Qual é melhor tipo de coleira para cachorro?

Você já deve ter visto tudo o que é tipo de coleira por aí, seja …

3 Comentários

  1. Parabéns! Adorei, muito bem explicado e me ajudará muito. Meus filhos quase não saem de casa e me transtorno toda vez que os levo ao parque porque não sou tão experiente no assunto. Obrigado adoropatas. ?

  2. ROBINSON NOGUEIRA DE CASTRO

    Texto muito instrutivo, brilhantemente escrito em linguagem simples e explicativa. Com toda certeza muito útil para socialização de nossos cãezinhos. Parabens ao redator e ficarei atento as novas publicações.

  3. Ótimo texto, elucidou minhas duvidas e vou aplicar as orientações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *